Agende sua avaliação

Confira o que é odontogeriatria e sua importância para os idosos!

Tempo de leitura 8 min

Existe uma ideia errônea de que a perda dos dentes ao envelhecer é um evento natural, porém, com os avanços da odontologia, é possível manter a arcada dentária intacta e saudável. Pensando no aumento da expectativa de vida e nas preocupações relacionadas com a saúde oral, a odontogeriatria foi criada.

O termo se refere a algo voltado para pessoas da terceira idade e está completamente certo. O termo geriatria é utilizado para especificar médicos que trabalham promovendo a saúde especificamente de pessoas idosas, visando manter a qualidade de vida nessa fase, que tem se tornado cada vez mais duradoura.

A odontogeriatria é baseada no mesmo conceito. A única diferença é que a profissão é voltada para assegurar a saúde oral das pessoas idosas. Essa área da odontologia trabalha com a prevenção e tratamentos de problemas bucais em pessoas que já chegaram à terceira idade.

Neste post, vamos falar sobre a importância da geriatria e mostrar alguns cuidados que contribuem para que os idosos tenham uma boa saúde bucal. Acompanhe a seguir!

A odontogeriatria é importante para a saúde bucal dos idosos?

Agora você sabe o que é odontogeriatria, mas qual a importância dessa área para os idosos? Um dentista precisa ser especialista nessa área para tratar de problemas de saúde bucal de uma pessoa mais velha? Bom, a resposta para a segunda pergunta é: não exatamente.

Um dentista não especialista nessa área pode perfeitamente atender uma pessoa idosa, mas o odontogeriatra tem conhecimentos mais aprofundados sobre o organismo desse tipo de paciente, por isso, ele é capaz de oferecer um diagnóstico mais preciso e propor os tratamentos mais adequados.

Alguns problemas de saúde bucal tendem a ser mais frequentes à medida que envelhecemos. Por isso, é bom contar com o apoio de um dentista geriatra, pois ele tem profundo conhecimento sobre doenças sistêmicas e limitações que o idoso pode vir a apresentar.

De fato, problemas de saúde bucal podem afetar o restante do organismo de qualquer pessoa. Entretanto, no caso de quem já chegou à terceira idade, isso se torna grave, pois, com o avanço da idade, o sistema imunológico fica mais sensível.

E ele pode ficar ainda mais fragilizado quando a saúde bucal está prejudicada, pois os dentes realizam um papel importante na mastigação. Pensando em um prejuízo odontológico significativo, a nutrição do paciente pode ficar deficiente, o que pode diminuir o sistema de defesa do idoso.

Além disso, idosos são mais propensos a desenvolver doenças bucais, como gengivite e periodontite. A periodontite é a mais grave dessas patologias e, quando não tratada, pode causar problemas cardíacos.

Quais os cuidados necessários com a saúde bucal na terceira idade?

Há alguns anos, as pessoas mais velhas não se preocupavam muito com a aparência e isso se refletia em seus cuidados com a boca. No entanto, os tempos mudaram e os idosos hoje se preocupam cada vez mais em manter uma boa imagem.

Afinal, uma das características mais marcantes de uma pessoa é seu sorriso e para mantê-lo é preciso manter uma rotina diária de cuidados, que são bastante básicos. A seguir, citamos algumas medidas capazes de assegurar que o idoso conserve não só a beleza de seu sorriso, mas sua integridade e saúde bucal. Confira!

Manter a higiene bucal adequada

Os cuidados com a higiene bucal representam a forma mais efetiva e barata de manter dentes bonitos e saudáveis por toda a vida. Por isso, é importante que o idoso escove os dentes sempre após as refeições e faça uso do fio dental pelo menos uma vez ao dia. Complementar a limpeza com um enxaguante sem álcool também é uma forma de manter a boca longe das bactérias causadoras de placa bacteriana e mau hálito.

Atentar à escovação

É evidente que a higiene bucal depende dos objetos utilizados para realizá-la. Com o passar dos anos, a gengiva se torna mais sensível, isso ocorre porque ela é deslocada para cima, fazendo com que a raiz dos dentes tenham menos proteção. Por isso, a escolha de uma escova de dente macia se torna cada vez mais necessária. Com o objetivo de evitar que as estruturas da arcada dentária e da mucosas orais sejam danificadas, com a formação de aftas, por exemplo.

Powered by Rock Convert

Entender como certas enfermidades podem afetar a saúde bucal

É evidente que, com o passar dos anos, diversas fatores poderão interferir na preservação dos dentes. Medicamentos, por exemplo, podem reduzir a quantidade de saliva e aumentar a possibilidade de acometimentos na cavidade oral.

Seguindo a mesma lógica, é importante destacar que existem enfermidades que podem diminuir a saúde oral do idoso. A diabetes, além de influenciar na capacidade de cicatrização de feridas bucais, pode afetar a imunidade da pessoa, o que pode aumentar a predisposição dos pacientes geriátricos de terem comorbidades graves, como gengivite e periodontite.

Cuidar da dieta para preservar a saúde bucal

Uma boa alimentação interfere na qualidade de vida do idoso e evita o acometimento de doenças, como hipertensão arterial e diabetes. Apesar de a ligação da comida com saúde oral ser sempre lembrada quando relacionamos o consumo de alimentos açucarados com o surgimento de cáries, é importante destacar que consumir frutas, verduras e fibras auxilia na manutenção de uma arcada dentária saudável.

Ter cuidado extra com as próteses

É bastante comum que pessoas mais velhas usam próteses, inclusive parciais. Embora não haja risco de incidência de cáries para pacientes que usam dentadura, eles ainda devem ter uma higiene bucal bastante rigorosa. Isso porque as próteses acumulam resíduos alimentares com muita facilidade e, se não forem limpas adequadamente, vão contribuir para a proliferação de bactérias.

A higienização da prótese normalmente é realizada de forma incorreta. Com isso, o idoso corre um risco maior de sofrer com inflamações nas gengivas e com a incidência de mau hálito. É importante destacar que deve ser uma rotina enxaguar a prótese para evitar que restos alimentares permaneçam na cavidade oral. Além disso, a limpeza da estrutura deve ser realizada com sabonete neutro, a fim de evitar que a pasta dental danifique o material.

Hidratar-se sempre

Com o avanço da idade, também é normal que as pessoas produzam menos saliva devido ao uso de medicamentos para controle de doenças sistêmicas como diabetes e hipertensão.

Por isso, é essencial que o idoso tome bastante líquido ao longo do dia, para evitar lesões nas gengivas devido à má adaptação das próteses. Como a população idosa geralmente possui uma dificuldade maior para manter uma ingestão adequada de água, uma dica importante é incentivar que o paciente masque chiclete sem açúcar, a fim de minimizar os sintomas da diminuição da saliva.

Visitar periodicamente o odontogeriatra

As visitas periódicas ao dentista são essenciais para a prevenção e tratamento de doenças. Apesar de parecer uma recomendação óbvia, muitas pessoas pensam que, depois de ficarem mais velhas, as visitas ao dentista não precisam ser tão frequentes.

Na verdade, é o contrário. É justamente nessa fase que nossa saúde bucal requer mais cuidados, pois o sistema imunológico é mais frágil e ficamos mais propensos ao desenvolvimento de doenças.

Pessoas idosas podem recorrer ao implante dentário?

Sim, claro! Com os avanços na odontologia e o aumento da expectativa de vida, é cada vez mais comum a realização de implantes na terceira idade. Uma das poucas exigências para que o idoso se submeta ao tratamento é que ele deve ter um bom quadro de saúde — aliás, essa é uma obrigatoriedade para todos os pacientes que desejam fazer um implante dentário. Além disso, o paciente deve ter estrutura óssea o suficiente para receber o implante ou ser apto a receber um enxerto ósseo.

Os resultados de quem se submete ao tratamento com implantes na terceira idade são semelhantes aos de pacientes mais jovens. Após a cirurgia e recuperação, a pessoa tem uma melhora significativa em sua qualidade de vida. Isso porque ela tem de volta sua capacidade de mastigação — um benefício que a dentadura não proporciona.

Por que isso é tão importante?

Como a capacidade de mastigação é restaurada, o estado nutricional do paciente também melhora, pois seu organismo absorve melhor os nutrientes contidos nos alimentos.

Isso tudo sem falar nos ganhos para a autoestima dos idosos, que se sentem mais seguros em relação à sua aparência. Todos esses fatores influenciam para que o idoso se sinta mais feliz e tenha mais disposição para realizar suas tarefas diárias ou conviver com família e amigos.

Mas vale ressaltar que somente o dentista pode avaliar a possibilidade de o tratamento ser realizado e indicar a melhor técnica para cada caso. Então, procure uma equipe odontológica de qualidade para a avaliação, antes de se submeter a um procedimento desse porte!

Você gostou de descobrir quais são os principais cuidados que os idosos devem ter para preservar a saúde oral? Agora que você já sabe o que é odontogeriatria e como ela pode ser decisiva para o aumento da qualidade de vida do paciente, está na hora de entender como funciona a reabilitação oral com implantes de titânio.

Powered by Rock Convert

Quer receber mais conteúdos como esse?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

2 Comentários

  1. Meu nome é Beatriz e perdi vários implantes e um tratamento inteiro. Eu desisti de tratar e jogar o meu dinheiro fora durante um ano e no momento preciso retomar, porque já estou sem mastigação e com um provisório na frente que está preso num pré molar que já está comprometido. Para mim isso é trágico e entrei em depressão. Consultei três profissionais, mas não me senti segura com nenhum

    1. Oi, Beatriz. Como vai? Nossa, você teve muitos problemas realmente durante o processo. Mas não desista. Existe solução para o problema. Você já procurou alguma unidade OdontoCompany?

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.