Ortodontia

Fique por dentro de 5 principais tipos de clareamento dental

agosto 30, 2018
Tempo de leitura 6 min

Ter os dentes mais brancos é o sonho de muitas pessoas. Para conseguir atingir esse objetivo, existem vários tipos de clareamento dental que podem ser empregados, dependendo das suas características e preferências.

O recomendado, contudo, é sempre buscar a supervisão de um dentista. Afinal, as substâncias usadas no processo podem ser agressivas quando aplicadas sem orientação adequada.

Quer saber mais sobre o tema? Continue lendo este artigo!

O que é o clareamento dental e quando ele é indicado?

Conforme os anos passam, naturalmente, podemos sofrer com o amarelamento dos dentes. Além da idade, outros fatores contribuem para essa situação, como a má escovação, o consumo de determinados alimentos (como vinho, suco de uva ou café em excesso), o uso de medicamentos, entre outros.

Assim, o clareamento visa restaurar a cor original dos dentes, usando, para isso, determinados agentes clareadores e técnicas diferenciadas. Vale lembrar que o tratamento não consegue fugir dessa cor original.

Ou seja, se você tem como base uma cor mais amarelada ou até acinzentada, a técnica trabalhará dentro dessas tonalidades. Para modificá-las, somente com o uso de facetas ou lentes de contato.

O clareamento também não é indicado para determinados tipos de manchas, como as causadas por excesso de flúor. Por isso, somente o seu dentista poderá saber se essa é a opção mais recomendada, dependendo do que você deseja como resultado.

Outros fatores também podem influenciar a cor final do seu sorriso, como a presença ou não de restaurações, os hábitos alimentares e de higiene bucal e ainda a realização de uma limpeza profilática antes do clareamento.

Contraindicações

Apesar de ser um tratamento que está se tornando bem comum, ele não é indicado para algumas pessoas, como:

  • grávidas;

  • menores de 15 anos;

  • pacientes com cáries;

  • pessoas que têm alergia aos componentes da fórmula do gel clareador;

  • pacientes com restaurações defeituosas ou ainda com problemas na gengiva;

  • pacientes com dentes manchados por tetraciclina na infância;

  • pessoas com problemas de formação do esmalte.

Tipos de clareamento: quais são os mais usados?

Como você viu, é sempre muito importante buscar o auxílio do seu dentista. Embora exista a possibilidade de se poder comprar “kits clareadores” em farmácias, por exemplo, isso não é recomendável, já que poderá colocar a saúde da sua boca em risco.

Isso porque o gel clareador precisa ser manipulado na concentração apropriada para as necessidades do paciente, sendo indispensável uma análise criteriosa garantindo que o tratamento é indicado e seguro.

Agora que você já compreendeu todos esses pontos importantes, veja quais são os principais tipos de clareamento usados.

1. Caseiro

Esse é o método mais conhecido de clareamento dental. Ele é feito com o uso de uma moldeira de silicone e um gel clareador. Normalmente, o paciente usa ambos durante a noite. Porém, existem géis que podem ser usados por apenas 4 horas e outros que necessitam só de 30 minutos diários.

O gel pode ser de peróxido de carbamida, peróxido de hidrogênio ou perborato de sódio, dependendo da técnica escolhida pelo dentista, sendo os dois primeiros os mais comuns.

As concentrações também variam de paciente para paciente, bem como a moldeira, que é feita de forma personalizada, evitando que o produto entre em contato com a gengiva.

O clareamento caseiro é um pouco mais longo do que os realizados em consultório e pode durar até três semanas, exigindo a participação do paciente para que os resultados apareçam.

2. Consultório

Nesse tipo de clareamento, o dentista também utiliza um gel clareador, mas com concentrações mais elevadas do que os usados no método caseiro.

Normalmente, o profissional usa uma barreira que protege a gengiva e faz a aplicação do gel, que permanece em contato com os dentes por mais ou menos 1 hora.

Os resultados costumam ser mais rápidos do que o método caseiro, sendo possível notar os resultados em três ou quatro sessões.

3. Laser

Esse tipo de clareamento apenas é realizado em consultórios odontológicos. Ele é feito com um gel clareador que é potencializado com o uso do laser. O que acontece é que, ao usar essa luz, a permeabilidade do produto aumenta, permitindo que ele atinja espaços ainda mais precisos no esmalte dentário.

Por ser mais potente, esse tratamento também exige menos visitas ao dentista, sendo que em duas a três sessões já é possível notar os resultados.

Outra diferença é que esse tipo de clareamento usa um gel com uma concentração mais potente do que o caseiro, o que permite um resultado mais satisfatório e rápido.

4. Clareamento interno

É o clareamento feito na parte interna do dente, ou seja, naquela que não é mostrada quando sorrimos. Ele é indicado para quem passou por tratamento de canal ou ficou com dentes mais escuros por traumas ou reações metálicas.

Como nos demais, também é usado um gel clareador, que é aplicado na porção coronária do dente e que precisa ser trocado toda semana até que o resultado seja alcançado (o que demora, em média, dois meses).

Normalmente, a técnica mais usada é o “walking bleach”, na qual o produto clareador é colocado dentro do dente e fica agindo por cerca de cinco dias. Porém, vale destacar que, de todos os tipos de clareamento, este é o que dá menor certeza quanto aos resultados.

5. Luz Ultravioleta

É uma técnica semelhante ao clareamento com laser, mas com luz ultravioleta, intensificando a ação do gel. Um detalhe importante é que, com esse tipo de tratamento, é possível reduzir a sensibilidade dentária após o procedimento.

Embora o tratamento dependa muito das características de cada paciente, em geral, a aplicação da luz ultravioleta leva em torno de 20 minutos e os resultados são notados mais rapidamente, entre a segunda e a terceira sessões.

Esses são os tipos mais comuns de clareamento profissional. E, em alguns casos, pode ser que o seu dentista resolva combinar dois deles. Por exemplo, o clareamento caseiro com algumas sessões usando laser ou luz ultravioleta.

A combinação de tratamentos tem sido muito usada porque permite um resultado mais satisfatório e duradouro.

Que cuidados tomar após o clareamento dental?

Além de escolher o tipo mais adequado de clareamento, ainda é essencial que o paciente esteja comprometido com o tratamento, garantindo, assim, melhores resultados.

Isso significa, por exemplo, cuidar dos hábitos de higiene bucal, sempre escovando os dentes após todas as refeições e usando o fio dental. Além disso, é indispensável tomar cuidado com a alimentação, evitando o consumo excessivo de itens que podem manchar seus dentes, como:

  • suco de uva;

  • vinho tinto;

  • café;

  • refrigerante de cola;

  • chá-preto.

Visitar periodicamente o dentista para realizar a limpeza profilática é outra recomendação importante.

Apesar de tudo isso, vale salientar que o resultado do clareamento não é eterno. Dependendo dos seus cuidados, é possível que os seus dentes fiquem mais brancos por dois anos. Depois desse período, é necessário refazer o tratamento.

Como você viu, existem muitos tipos de clareamento, e a escolha adequada dependerá das suas condições orais e também preferências. Gostou deste conteúdo? Compartilhe o nosso post com os seus amigos nas suas redes sociais e ajude-os a ter um sorriso mais branco!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário