Implantes

Veja 5 tipos de prótese dentária e escolha a melhor opção para você

agosto 30, 2018
Tempo de leitura 7 min

Perder um ou mais dentes é sempre algo complicado. Não apenas esteticamente, mas, também, porque esse problema pode influenciar na forma como falamos, mastigamos e até respiramos. Como cada caso é diferente, hoje a odontologia possui vários tipos de prótese dentária, para atender a todas as demandas.

As indicações e especificações de cada tipo variam bastante de uma técnica para outra, e, por isso, conhecer as opções antes de se submeter a um tratamento desse porte é a melhor maneira de dialogar com o profissional e encontrar a solução perfeita para o seu sorriso.

Ficou interessado? Então continue a leitura!

O que é a prótese dentária e quando ela é indicada?

A prótese dentária visa substituir um ou mais dentes faltantes na boca do paciente. Assim, além de devolver o sorriso, a autoestima e melhorar a estética, ela também contribui para a saúde, já que ajuda a devolver as funções bucais, melhorando a mastigação, a fonética e até mesmo a respiração.

A indicação é para todos os pacientes que estejam sofrendo com a falta de um ou mais dentes, sendo que a técnica mais adequada dependerá de uma análise completa de cada caso.

Tipos de prótese dentária: quais as mais comuns?

Conforme falamos no início do texto, a odontologia tem evoluído muito e atualmente é possível encontrar uma grande diversidade de tipos de prótese, que variam em termos de material e também de técnica aplicada. Tudo isso garante mais conforto aos pacientes, além de maior estabilidade e também qualidade de vida. Veja os tipos mais usados:

1- Prótese total

A prótese total (PT), ou dentadura, é a solução mais comum e conhecida entre os brasileiros. Normalmente, ela é produzida em resina acrílica e é essencial que o dentista e o protético sejam bastante detalhistas, trazendo mais realidade ao sorriso do paciente e respeitando as suas feições naturais.

Ela consegue devolver as funções orais de mastigação e fala, além de melhorar consideravelmente a estética de quem perdeu todos os dentes.

Porém, com o passar dos anos, acabamos perdendo estabilidade óssea na região da mandíbula. Isso faz com que exista uma área de retenção da prótese inferior, dificultando o seu uso e comprometendo a estética.

2- Prótese parcial removível (PPR)

Também chamada de “Roach”, esse é um modelo bastante usado. A prótese é indicada para os pacientes que ainda possuem alguns dentes na boca e funciona por meio de uma estrutura metálica com grampos que ficam retidos nos dentes remanescentes.

A composição metálica, geralmente, é de uma liga de crômio-níquel ou crômio-cobalto. A principal vantagem é a estabilidade que ela oferece durante a mastigação, além de proteger e manter os dentes originais e remanescentes do paciente.

Contudo, devido a sua estrutura metálica, esse tipo de prótese não possui um grande apelo estético, pois, muitas vezes, os grampos e até a parte de metal podem ficar expostos. Além disso, a PPR exige um maior tempo de adaptação do paciente, especialmente naqueles que nunca usaram uma prótese.

Outra possibilidade é a PPRflex produzida com poliamida. Como esse é um material injetado, ele dispensa a necessidade de grampos e metais.

Assim, ela oferece mais conforto e resistência, além de ser esteticamente agradável. O material, por ser mais flexível e leve, ainda se adapta mais facilmente à gengiva.

Porém, a PPRflex também tem um ponto negativo: com o tempo a prótese pode pigmentar, não sendo, portanto, recomendada para os pacientes com uma higiene bucal inadequada ou com problemas gengivais.

3- Prótese sobre implante (overdenture)

Essa é uma prótese total que pode ser colocada tanto na maxila (parte superior) como na mandíbula (parte inferior da boca).

Como o próprio nome sugere, ela fica “presa” aos implantes e é uma ótima solução para os pacientes que apresentam reabsorção óssea.

Basicamente, a overdenture pode ser feita através de dois sistemas, que são:

  • O’Ring: a prótese é unida por meio de um anel de teflon ou metálico que fica encaixado em um componente protético em formato de bola adaptado sobre os implantes;

  • Barra-Clip: a prótese é unida por meio de clips que se adaptam a uma barra soldada sobre os implantes.

A overdenture oferece muito mais estabilidade aos pacientes e segurança para mastigar quaisquer tipos de alimentos, porém, seu valor costuma ser um pouco mais elevado.

4- Prótese Protocolo

A Prótese Protocolo também funciona sobre implantes de titânio, sendo uma solução muito interessante para os pacientes que perderam todos os dentes e podendo ser usada tanto na arcada superior como na inferior.

A execução, contudo, é mais complicada e trabalhosa que as demais. Normalmente, o processo se inicia com a colocação dos implantes (que são como pinos de titânio e substituem a raiz dos dentes ausentes) e por isso o paciente precisa aguardar o período de osseointegração (ou seja, até que o metal seja integrado ao osso da mandíbula ou da maxila e o processo de cicatrização esteja finalizado).

Somente depois disso, é feita a moldagem e a instalação da prótese propriamente dita. 

Protocolo sobre implante cerâmico

Outra opção dentro desse mesmo tipo é a prótese protocolo sobre implante cerâmico. Nesse caso, ao invés da resina acrílica para confeccionar os dentes, é usada a cerâmica ou porcelana, que oferece mais naturalidade à prótese. Essa opção também tem outras vantagens como: mais estabilidade de cor, melhor textura, mais resistência ao desgaste e menor acúmulo de sujeira.

Protocolo em zircônia

Essa é uma possibilidade ainda mais recente na odontologia e consiste no uso da zircônia. A principal diferença é que, neste caso, toda a estrutura da prótese (além dos dentes) também é produzida em zircônia e criada usando o sistema CAM/CAD.

A tecnologia CAM/CAD, resumidamente, funciona como um computador acoplado a uma impressora 3D. Assim, o profissional consegue realizar o desenho de uma prótese, por exemplo, e imprimi-la em três dimensões, em um tempo muito menor.

Tudo isso reduz a necessidade de uso de soldas, o que confere ainda mais resistência.

5- Coroa

É indicada para quem precisa repor apenas um dente, reproduzindo, dessa maneira, as características funcionais, anatômicas e estéticas desse dente ausente.

O tratamento pode ser realizado tanto sobre um implante de titânio como sobre um dente, e a implantação pode ser parafusada ou cimentada.

A coroa pode ser produzida tanto em porcelana como em resina, sendo que as de porcelana, embora sejam mais caras, oferecem maior resistência, valorizam mais a estética e possuem maior durabilidade e facilidade de adaptação.

Independentemente do tipo de prótese usada, contudo, é essencial procurar por um dentista especializado em implantodontia, que será capaz de escolher a técnica mais adequada às suas necessidades, características e desejos.

Além disso, a participação do paciente é fundamental para o sucesso do tratamento, sempre higienizando corretamente a prótese e realizando os retornos periódicos para os ajustes.

Como você viu, são vários os tipos de prótese dentária, e cada um deles possui uma indicação específica, garantindo um ótimo resultado estético e ainda devolvendo a funcionalidade da sua boca.

Gostou deste conteúdo? Curta a nossa página no Facebook e receba várias outras dicas para cuidar melhor da saúde e da beleza do seu sorriso!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário