Implantes

Enxerto ósseo para implante dentário: quando ele é necessário?

novembro 30, 2018
Tempo de leitura 3 min

A tecnologia na odontologia trouxe uma série de possibilidades para melhorar a qualidade de vida e a autoestima de quem passa pelo processo de perda dentária. Hoje, é possível colocar próteses mais bonitas, naturais e próximas aos dentes originais, trazendo mais conforto ao paciente. Ainda, com o enxerto ósseo para implante dentário, é possível recuperar o sorriso mesmo em casos que, no passado, apresentavam limitações.

O desgaste dos ossos da boca é bastante comum em pessoas que perderam os dentes há algum tempo. No entanto, o que antes inviabilizava a aplicação de tratamentos mais modernos e naturais, hoje pode ser resolvido com o uso do enxerto.

Para saber mais sobre esse procedimento, como ele funciona, para quais casos ele é indicado, entre outras informações importantes, continue a leitura!

Como funciona o enxerto ósseo para implante dentário?

O principal objetivo desse tipo de enxerto ósseo é oferecer melhor sustentação para o implante dentário nos casos em que a estrutura do paciente não é o suficiente para cumprir essa função.

 A ausência de espessura e condições ósseas adequadas inviabilizava o uso desse tipo de prótese, fazendo com que a pessoa ficasse restrita a opções menos confortáveis e naturais. Com esse procedimento, é possível usar implantes mais modernos, mesmo em casos de perda óssea considerável.

Para isso, pode ser usado enxerto de outra parte do corpo ou, então, de materiais sintéticos para cumprir o mesmo papel. O processo de adaptação pode demorar meses antes que seja possível colocar o implante, variando de acordo com a extensão recuperada e características do organismo.

Quando é preciso adotar essa técnica?

A técnica de enxerto ósseo é indicada para pacientes que desejam colocar um implante dentário, mas não têm as condições necessárias nos ossos da boca para recebê-lo.

Somente um odontologista poderá dizer para quem ele é indicado. Embora ele seja benéfico na maioria dos casos, algumas condições podem exigir avaliação se o tratamento é realmente a melhor opção. Entre elas estão:

  • existência de doenças periodontais, que devem ser tratadas antes do procedimento;
  • alguns casos de diabetes;
  •  fumantes;
  • menores de 18 anos, que ainda podem ter a estrutura óssea reabilitada naturalmente.

O que preciso saber antes de fazer esse procedimento?

É comum surgir algumas dúvidas sobre o processo de enxerto ósseo para implante dentário. Entre as principais estão:

É preciso fazer algum exame?

Sim. Somente a partir de exames e da avaliação do dentista é que esse procedimento será indicado. Entre os mais comuns, tanto para a indicação de implante quanto de enxerto, estão as radiografias específicas, tomografia, fotografia odontológica e risco cirúrgico.

O que causa a perda óssea?

Diversos fatores podem levar à degradação da estrutura óssea bucal. Porém, um dos mais comuns é a própria perda dentária. Pacientes que não buscam tratamento imediato após o ocorrido, podem sofrer atrofia da região, o que faz com que seja necessário o enxerto.

É preciso anestesia?

Sim. Em casos mais simples será feita anestesia local e o procedimento é realizado no próprio consultório odontológico. Em situações mais complexas pode ser necessário o ambiente hospitalar e anestesia geral.

Como vou saber se preciso de enxerto ósseo e se posso colocar implante?

Buscando a orientação de um dentista de confiança, que deverá fazer todas as análises e exames necessários.

O enxerto ósseo para implante dentário é um procedimento muito mais simples do que as pessoas pensam. A técnica é uma excelente alternativa para pacientes que tiveram alguma perda óssea, possibilitando que usufruam dos benefícios de próteses mais naturais, duráveis e confortáveis.

Para aprofundar mais sobre o assunto, leia o nosso artigo sobre quem pode fazer o implante odontológico.

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário